Brasileira ganha importante prêmio nos EUA por sua descoberta genética que pode reduzir o desmatamento

A brasileira Cintia Leite Ribeiro, 27 anos, acabou de receber o prêmio de melhor tese de doutorado da Universidade da Flórida (EUA) de 2014.

Sua pesquisa, intitulada “Caracterização Molecular de Genes Candidatos para Traços Quantitativos na Espécie Florestal Populus”, pode ajudar na redução do desmatamento. Ela descobriu um gene que, sob determinada temperatura, aumenta o crescimento de árvores usadas na fabricação de papel.

Segundo Cintia afirmou à UnAN (Agência de Notícias da Unesp – Universidade Estadual Paulista), “este novo gene pode ser utilizado como uma ferramenta poderosa para a engenharia genética de plantas para aumentar a produtividade em climas mais quentes causados pelo aquecimento global”.

O aumento da produtividade significa que cada árvore vai produzir mais madeira, o que “possibilitaria a redução de área de plantio, evitando desmatamento”, explica a jovem premiada.

A recém Ph.D. nasceu em Vitória e se formou em ciências biológicas na Unesp, em Botucatu, São Paulo, onde iniciou suas pesquisas sobre a genética do eucalipto.

Em cerimônia de homenagem, com a presença do presidente da escola, W. Kent Fuchs, reitores, professores, alunos e convidados, além de uma placa, a jovem recebeu um prêmio de 1.500 dólares.

Um Plano que merece ser aplaudido, prestigiado e compartilhado, pois, além de colocar as mulheres brasileiras entre as mentes mais brilhantes do mundo, também vai tornar o mundo melhor!

cintia1

Ana Victorazzi

Jornalista

Apaixonada por café, cor laranja e animais. Formada em jornalismo e mãe de dois gatos, acredita na bondade das pessoas.