Câncer de ovário, o “mal silencioso” que mata 140 mil mulheres por ano

A data de hoje, 08 de maio, foi eleita o Dia Mundial do Câncer de Ovário.

O objetivo de ter um dia para o tema é aumentar a conscientização sobre o segundo tipo de câncer ginecológico mais comum e a sétima causa de morte por câncer na população feminina.

O câncer de ovário é considerado um “mal silencioso”, pois os sintomas podem aparecer quando a doença já está em estágio avançado, tornando difícil seu tratamento.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) prevê que 250 mil novos casos surjam anualmente no mundo e a estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA) alerta para 5.680 novos casos no Brasil.

Mais comum em mulheres acima de 40 anos, a neoplasia ginecológica é considerada a mais letal: 140 mil mulheres morrem a cada ano.

De acordo com oncologista e diretor do Cetus-hospital dia, Charles Pádua, 75% dos cânceres no ovário já estão em estágio avançado quando é feito o diagnóstico, por isso a taxa de mortalidade é alta. “Isso acontece pelo fato de o ovário ter espaço para crescimento e esse aumento de volume se dá de forma indolor. Entre o início da doença e o aparecimento dos sintomas podem se passar meses”, conta.

Apesar de ser o tumor ginecológico mais difícil de ser diagnosticado e o de menor chance de cura, se descoberto precocemente pode ser retirado com cirurgia, sem que haja a necessidade de quimioterapia e radioterapia. “Para que isso aconteça a mulher deve estar ciente dos sintomas que são desde sangramento anormal, emagrecimento repentino, dor pélvica, perda de apetite, dores abdominais, complicações intestinais, entre outros”, pontua o oncologista.

Nos últimos tempos o câncer de ovário ganhou destaque na mídia em razão da cirurgia preventiva realizada pela atriz Angelina Jolie, que retirou os ovários através de um procedimento denominado ooforectomia. A atriz descobriu por meio de um exame que era portadora da mutação genética BRCA1 e que tinha 50% de chances de desenvolver essa anomalia.

15083485

Imagem divulgada na máteria da Folha de S. Paulo “Após tirar mamas, Angelina Jolie remove ovários para evitar câncer”.

Não existe uma causa específica para a doença, porém os fatores de risco como histórico familiar, a reposição hormonal pós-menopausa, o tabagismo e a obesidade devem ser observados. “Ainda não há um método de diagnóstico precoce muito efetivo para o câncer de ovário, fator que dificulta bastante a detecção da doença em fases iniciais”, conta Pádua.

Para prevenir a doença ou mesmo detectá-la precocemente é necessário estar em dia com exames e idas ao ginecologista.

Vamos colocar nos Planos deixar os exames em dia?

Ana Victorazzi

Jornalista

Apaixonada por café, cor laranja e animais. Formada em jornalismo e mãe de dois gatos, acredita na bondade das pessoas.