Com foco na inclusão, Medicina da USP terá pela primeira vez, adesão a cotas raciais e ENEM

A Faculdade de Medicina da USP, uma das mais concorridas do país, vai implementar para o próximo vestibular, adesão de alunos por meio de cotas raciais e também por meio do SISU (Sistema de Seleção Unificada), que usa a nota do ENEM para aprovação dos futuros alunos. 

 

Portanto, para 2018, 50 das 175 vagas para o curso de Medicina terão o ENEM como nota adicional ao vestibular, sendo que 15 vagas serão reservadas para alunos de escolas públicas negros, pardos e indígenas. As outras 125 vagas continuam sendo concorridas pela Fuvest.

 

 

Segundo informações do professor José Otavio Costa Auler Júnior, diretor do curso de Medicina da Universidade, a mudança visa acelerar a inclusão de alunos de escolas públicas. A meta é que, em 2018, pelo menos metade dos calouros sejam de pessoas vindas da escola pública. Em 2017, o percentual destes alunos na USP foi de apenas 36,9%.

 

 

Kelly Sá

Amante da arte, das palavras. Adora crianças, cachorros e gatos. Formada em Letras, adora trabalhar com conteúdo, fazendo das palavras o seu brinquedo preferido.