Engenheiro da Google é demitido após críticas a ações de equidade de gênero

Estamos sempre falando sobre a importância de lutarmos por mais espaços no mercado de trabalho, por termos mais espaços em cargos de liderança, para combatermos o machismo e tudo isso tem um fundamento, não é um capricho feminino. É porque enfrentamos todos os dias situações e comentários machistas que nos colocam em posições inferiores a dos homens, quando na verdade isso não deveria acontecer. Mas acontece todos os dias. E aconteceu mais uma vez.

Hoje, um engenheiro da Google, James Damore foi demitido por divulgar uma carta interna de 10 páginas, na qual perpetua estereótipos de gênero. Com mais de 3 mil palavras, ele afirma, por exemplo, que “as opções e as capacidades de homens e mulheres divergem, em grande parte devido a causas biológicas, e estas diferenças podem explicar por quê não existe uma representação igual de mulheres (em posições) de liderança”.

Além disso, James também diz que as aptidões naturais levam os homens a ser programadores de informática, enquanto as mulheres são mais inclinadas “aos sentimentos e à estética que às ideias”, que as leva a escolher carreiras nas áreas “social e artística”.

 

A Google desenvolve ações como acampamentos que ensinam programação para meninas e programas especiais para universidades com foco em maior participação dos negros.

 

Mas, temos mulheres para nos representar! inclusive em cargos de liderança e de grandes empresas de tecnologia. Danielle Brown, diretora da área de diversidade da Google, trabalhou na Intel e foi contratada pelo Google há apenas um mês e respondeu um e-mail aos funcionários sobre a carta enviada por Damore: “Não é um ponto de vista que a empresa e eu mesmo respaldemos, promovamos ou incentivamos”. Daniele ainda acrescenta que a Google estimula a igualdade de gêneros na empresa e que isso inclusive pode ser observado no código de conduta, política e normas antidiscriminatórias da companhia.

 

Redação

Produzido por uma equipe cheia de Planos para compartilhar.