Karine e o casaco

Karine entrou em uma loja, provou um casaco e não gostou. Devolveu a peça à vendedora e atravessou a rua, foi olhar outra loja, como todas nós gostamos de fazer. O problema é que a vendedora da primeira loja a seguiu na rua, a abordou e a acusou de furto. Karine, nervosa por ser injustamente acusada, voltou à primeira loja, e ali foi confrontada pelo segurança. Aos poucos os funcionários da loja perceberam o erro – mas Karine decidiu que não ia deixar pra lá a humilhação que sofrera. Ligou pro 190 e esperou duas horas.

Karine, corretamente, decidiu não aceitar a humilhação.

Quando a polícia chegou, ao invés de apoiar Karine, tentaram fazer com que ela não registrasse queixa, que deixasse pra lá, não foi nada de mais… Karine, coberta de razão, decidiu que não ia deixar barato, queria registrar a queixa. Já na delegacia, o delegado responsável informou que como ela não queria aceitar “um acordo”- ou seja, ficar quieta e deixar pra lá – ela seria acusada de roubo a menos que apresentasse a nota fiscal de compra do casaco, que foi apreendido.

Por sorte,  a compra do casaco tinha sido recente e Karine encontrou a nota fiscal – imagine se a compra tivesse sido mais antiga e a nota houvesse se perdido? Ou alguém aqui guarda todas as notas de todas as roupas que compra na vida, apenas na eventualidade de ser acusada de roubo um dia?

Karine foi vítima de racismo.

Não há outra explicação. Nenhum motivo havia para ser acusada de furto pela vendedora. O modelo de seu casaco nem mesmo estava à venda na loja. E a polícia, que deveria defender os direitos de uma cidadã caluniada, preferiu acusá-la formalmente de furto.

Karine já tem advogada, seu caso veio a público e esperamos que ela seja devidamente inocentada da acusação estapafúrdia, e que consiga reinvindicar seus direitos. O que preocupa é que todos os dias milhares de Karines são vítimas de racismo em lojas, restaurantes, faculdades, empresas.

Falar sobre Karine é falar sobre o racismo que precisamos combater no Brasil.

Não podemos aceitar que isso continue acontecendo. Vamos fazer um escândalo.

 

Redação

Produzido por uma equipe cheia de Planos para compartilhar.

No Comments Yet

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>