O que fazer quando a demissão parece ser o fim da sua vida?

A diretoria te chamou para um café em tom de suspense. Logo todos já sabiam o que você já estava pressentindo: Demitida!

E enquanto a rádio pião prestava seus serviços aos demais colaboradores, você se encarregava de arrumar sua caixa. Era a despedida de uma era.

Entre um objeto e outro que você ajeitava naquela caixa, que parecia não ter fundo, pensava em como continuaria a vida fora daquela que você considerava a sua empresa. Seus Planos estavam todos ali, afinal, já tinha alcançado uma vaga bacana e seu cartão de visitas já tinha a cor dos managers da companhia. Acabou. É fato. Tá consumado. Vai fazer o quê? Triste, não?

Estes dias me deparei com uma cena que preferia não ter visto. Mas ela está rendendo este post, então, acho que tudo é aprendizado. Enquanto eu aguardava para iniciar uma reunião, acompanhei uma mulher saindo da sala de RH de uma empresa. Pálida. Parecia não ter sangue circulando em seu corpo. Os olhos estavam esbugalhados e a boca seca.

Ela tinha acabado de saber que não fazia mais parte do quadro colaboradores da empresa e pela expressão de desespero dela, certamente aquele lugar era o seu único Plano. Sua única aspiração de vida. Fiquei observando, já que estava tomando um chá de cadeira, na reação da moça – enquanto ela caminhava em slow motion em direção de sua mesa e dava sinal negativo com a cabeça para uma colega, que parecia já ter adivinhado o que tinha acontecido.

Enquanto a colega a acalmava, ela chorava depressivamente. Uma cena tão chocante e ao mesmo tempo interessante de analisar que fiquei pensando: o que leva uma pessoa a dar a vida por algo que não é dela? E mais: por que as pessoas não têm um Plano B? Por que apostam todas suas fichas em uma única jogada? Este é um exercício interessante de fazer.

É daqueles momentos em que você precisa tirar lições e aprender com os erros alheios, sabe como? Então, pensei em como evitar este tipo de situação e resolvi dividir isso com vocês. Afinal, a gente não pode ser refém de uma situação caótica como essas e achar que não existe vida após uma demissão.

Por que você foi demitida?

Não adianta se fazer de coitadinha. Encare os fatos. Se você foi desligada da empresa existem duas opções que podem te ajudado a chegar nesta situação: (A) Você é boa demais para este lugar que tem deficiência em gestão de talentos e sua competência está ameaçando alguém – que pode ser seu chefe.  (B) Você é muito ruim, menina! E precisa rever a sua forma de lidar com equipe, seu poder de resiliência e domínio de conhecimento de sua área. Recue uma, duas, três casas. O importante é você estar preparada para assumir cargos que te façam ser reconhecida por seus ótimos resultados. É difícil, mas quando a gente chega neste tipo de situação precisa ser crítica com a gente mesma. Analisar fria e calculadamente aonde errou, para bolar um Plano de recuperação e crescimento.

O que você pode fazer com isso?

Partindo do princípio que deu ruim e você não terá mais a vaga que esquentou durante tanto tempo – ou talvez nem tenha conseguido isso – você precisará ter um Plano B. Não dá para se encostar numa empresa e esquecer o mercado lá fora. Aliás, como está seu networking? Faz tempo que não fala com os colegas? Pois é. Vai ter de correr atrás e reativar sua rede. Você é quem irá decidir o que fazer com o caos. Sair dele dependerá única e exclusivamente de você.

Esqueça seu cartão de visitas!

A sensação de que você valia o que estava escrito no seu cartão de visitas é tão ilusória, quanto sua sensação de que não existe vida fora da empresa que acabou de te excluir do seu quadro. Pare de se enganar. Sua reputação é sua e se você não construiu uma boa imagem no mercado, vai precisar fazer isso agora. As pessoas precisam te conhecer, saber quais são seus talentos e entender como podem te chamar para o jogo. Avance sem medo!

Invista no seu valor e na sua imagem

Como as pessoas te conhecem? Como você se apresenta? E seus perfis nas mídias sociais, como estão? É hora de cuidar disso e dar uma repaginada em seu posicionamento no mercado. Atualize tudo, explore seus conhecimentos e experiências, compartilhe inspirações e amplie sua rede de contatos.  E claro: pare de chorar para o Facebook – ninguém gosta de perdedores. Pense nisso.

Levante a cabeça e reaja!

Foi demitida? Ok! Respire fundo, organize suas ideias, entenda que este é um ponta pé para que você escreve uma nova história. Esta é uma oportunidade para que você cresça e apareça. Tem milhares de portas para serem abertas por aí e oportunidades incríveis esperando por quem reconhece suas fraquezas e corre atrás do prejuízo. As vezes, uma demissão é só um momento para que você se reorganize, se observe mais, se prepare, reaja! A vida é assim e se você tiver um Plano e quiser que ele aconteça, ninguém poderá te impedir.

Viviane Duarte

Fundadora

Jornalista e Fundadora do Plano Feminino. Sua paixão está em criar estratégias que inspirem e gerem conexões com propósito por meio de conteúdos e projetos especiais que promovam a igualdade de gênero e o empoderamento feminino na publicidade e sobretudo, na sociedade.