Pesquisa diz que meninas já se sentem pressionadas a ter o corpo perfeito

Não é de hoje que as mulheres se sentem pressionadas para serem bonitas, pra terem o corpo perfeito. Como se as mulheres tivessem que seguir um padrão para serem bonitas. Isso é tão sério, que afeta também as crianças. Segundo uma pesquisa feita pela organização britânica Girlguiding, 25% das meninas de 7 anos dizem se sentir pressionadas para ter um corpo perfeito.

A pesquisa ainda mostra que só 61% das meninas entre 7 e 21 anos se sentem felizes com o que veem no espelho. Só pra ter uma ideia, em 2011, esse percentual era de 73%. Ou seja, a cada ano que passa, as meninas se preocupam cada vez mais com a aparência e deixam de se aceitar como são.

O relatório aponta como possibilidade para o baixo nível de confiança das meninas, a enorme exposição da mídia que objetifica as mulheres, além do assédio nas ruas e abuso sexual online. Isso se prova com mais resultados, porque aproximadamente 29% das meninas entre 7 e 8 anos e 41% das que têm entre 9 e 10 concordam que as mulheres são julgadas mais pela aparência do que por suas habilidades. É por isso mesmo que, infelizmente, não surpreende que mais da metade das meninas que têm entre 7 e 10 anos (52%) sintam que “não são boas o suficiente”.

 

 

As meninas disseram à Girlguiding que o mais importante e o mais urgente é que as mulheres deixem de ser julgadas pela aparência, porque elas sentem isso desde pequenas inclusive por parte dos meninos que as chamam de feias, dizem que tem bigodes, que são gordas, entre tantas outras coisas.

Por isso é que representatividade importa. Por isso que precisamos mudar o que a mídia coloca como imagem da mulher, porque isso gera um problema social enorme e as pessoas não se dão conta disso. As mulheres e meninas reais querem se sentir representadas, porque isso interfere diretamente na autoestima delas. Vamos mudar isso?

 

 

 

 

Kelly Sá

Amante da arte, das palavras. Adora crianças, cachorros e gatos. Formada em Letras, adora trabalhar com conteúdo, fazendo das palavras o seu brinquedo preferido.