Malala tinha um plano e não desistiu dele

Até onde você está disposta a ir com seus planos? O que você enfrentaria por uma causa? Aliás, você tem uma? Mesmo livres e podendo escrever nossa história como bem quisermos, muitas vezes recuamos ao invés de enfrentarmos nosso medos e fraquezas.

Depois de ganhar fama por sua campanha a favor da educação de meninas – os Talibãs não aceitam que as mulheres estudem e tenham autonomia –  Malala Yousafzai foi baleada na cabeça, dentro de um ônibus escolar, a caminho de casa.  Dois anos depois, ela mostrou que sobreviveu para continuar a sua luta heróica pelas meninas e recebeu o prêmio Nobel da Paz de 2014, nos dando uma lição sobre acreditar e ir em frente. Ao receber o prêmio, a garota encheu os pulmões e mostrou que tem fôlego de sobra para colocar seus planos em ação, mesmo diante de tanto terror e covardia:

“Os terroristas pensaram que aquele tiro interromperia meus planos e minhas ambições, mas nada mudou na minha vida. A fraqueza e o medo deram lugar à coragem, força e esperança.”

Malala é a mais jovem vencedora do prêmio Nobel. E apesar de ainda ser uma adolescente, ela já lutou por vários anos pelo direito das meninas à educação, e tem mostrado que as crianças e jovens também podem contribuir para melhorar seu presente e futuro. Malala começou sua luta através de um blog que criou para contar sobre o que as garotas paquistanesas sofriam e como a educação era a chave da liberdade e do futuro para elas.
O blog “Diário de uma menina Paquistanesa” deu voz à sua causa e chamou a atenção de todo o mundo.

Mesmo depois de sofrer o atentado que quase tirou sua vida, ela continuou sua campanha pela educação das meninas, falando perante a ONU, se reunindo com Barack Obama e sendo nomeada uma das 100 pessoas mais influentes da revista Time. Ano passado ela publicou seu livro de memórias “Eu sou Malala”, onde conta sobre sua luta.

“Vou ser política no futuro. Quero mudar as condições de meu país. Minha mensagem para as crianças em todo o mundo é que elas devem lutar por seus direitos. Eu me senti mais forte e mais corajosa, porque este prêmio não é apenas um pedaço de metal. Este é o incentivo para eu ir adiante.”

Os terroristas pensaram que calariam os planos desta garota, mas mesmo ainda sofrendo ameaças ela se encoraja e mostra que está só começando. É ou não é uma inspiração para fazer qualquer mulher parar de reclamar e lutar por seus planos? Palmas para Malala, esta menina vai longe.

Viviane Duarte

Fundadora

Jornalista e Fundadora do Plano Feminino. Sua paixão está em criar estratégias que inspirem e gerem conexões com propósito por meio de conteúdos e projetos especiais que promovam a igualdade de gênero e o empoderamento feminino na publicidade e sobretudo, na sociedade.