O que aprendi com oito mulheres incríveis sobre maternidade possível

“Ser mãe é ter o coração fora do corpo. É padecer no paraíso. É tudo igual, só muda de endereço.”

E se, ao invés de definirmos a maternidade por clichês, dermos voz às mães?

Foi o que aconteceu edição do TEDx São Paulo dedicada exclusivamente a elas, o “Ideias de Mães”. De acordo com a organizadora e curadora Elena Crescia, o objetivo do evento foi, além de homenagear quem sempre faz tanto pelos outros, “mostrar que as mães têm boas ideias de comunicação que merecem mais visibilidade”.

Na tarde da última quarta-feira, oito mulheres que se destacam em projetos que unem  empreendedorismo e maternidade apresentaram, no auditório do MASP, maneiras criativas de lidar com os desafios de ser mãe.

Os perfis eram os mais variados: empresária, ativista, psicoterapeuta, gestora cultural, cineasta, skatista, culinarista, analista de TI… Todas concordam em três pontos:

 

  1. Rasgue o script da mãe perfeita:

Cada filho é um filho, cada mulher é uma mulher, cada mãe é uma mãe.

Karen Jonz é expert em desafiar estereótipos. Tetracampeã de skate vertical, ganhou primeira medalha de ouro brasileira no X Games. Quando se viu grávida da Sky, passou a se perguntar “como eu poderia ser uma boa mãe?”. As descobertas ela conta no canal do YouTube Garagem de Unicórnio. O segredo, segundo ela, é testar até descobrir o que funciona no seu caso.

A psicóloga Mafoane Odara coordena a área de enfrentamento à violência contra mulheres do Instituto Avon e compartilhou as críticas que sofreu quando decidiu continuar a trabalhar fora e deixar o filho sob os cuidados do marido, em casa. A experiência de trocar os papéis tradicionais vem dando certo e o casal está grávido novamente.

Desromantizar a maternidade é a missão de Helen Ramos. Ela criou um canal no no youtube (Hel Mother) para falar de maternidade de um jeito descomplicado. Para ela, falar a verdade sobre o lado ruim de ser mãe é uma forma de libertar e acolher as mulheres.

 

  1. Invista em uma rede de apoio poderosa:

Mesmo que você seja mãe solo, não precisa se sentir só. A comunidade que Helen reuniu em um ano de vida do canal é prova disso.

Fazer da família uma verdadeira equipe  – com nome, identidade visual e lema – é a aposta de Mônica Japiassú, da Família Quadrada. Ela ensinou como faz para as filhas contarem como foi o dia delas: começa contando o seu ou então direciona a pergunta: “qual foi a coisa mais engraçada (ou triste) que aconteceu hoje?” Com isso, eles criam oportunidades para que elas trabalhem as emoções em um ambiente seguro.

Uma oportunidade preciosa de fortalecer a conexão entre pais e filhos é fazer as refeições em família. A culinarista Pat Feldman criou o projeto Crianças na Cozinha e aconselha optar por não industrializados. Ela sugere que, às vezes, o jeito de introduzir salada na alimentação dos filhos é começando com uma folhinha de alface e uma rodela de tomate dentro do hambúrguer.

E o que fazer quando o clima fica tenso?

Adriana Jubran, psicoterapeuta, desenvolveu uma metodologia para melhorar a comunicação entre mães e filhos de 0 a 7 anos. Ela lembrou que, primeiro, temos de educar a nós mesmas no uso ferramentas bem mais poderosas que os gritos, como o silêncio e o olho no olho.

Carol Guedes lembrou que maternidade não é só sobre os filhos deixamos para o mundo, mas também sobre o mundo que queremos para eles.  Após se tornar mãe, ela sentiu o desejo de estimular relações de consumo mais conscientes.  Por isso criou o Quintal de Trocas, uma plataforma que conecta crianças de todo o Brasil que, em vez de comprar, trocam brinquedos.

A experiência ajuda os pequenos a aprenderem sobre o valor das coisas, além de treiná-los em negociação.

 

  1. Tenha um trabalho que você ama:

Negociação é uma competência fundamental para a mãe que quer ter uma carreira. “É preciso desafiar o ‘é assim mesmo’”, afirmou Mafoane, ressaltando a importância de não nos conformarmos com o tratamento que as gestantes recebem nas organizações.

A hostilidade da rotina corporativa faz com que a maioria das mulheres que saem em licença-maternidade não volte ao trabalho. Para ajudar as que não sabem por onde recomeçar ou as que já empreendem e querem crescer, Danieli Junco criou a rede de empreendedorismo materno B2Mamy.

Ela defende a importância de termos um trabalho que faça sentido. Ela diz que quando um filho pergunta ‘mãe, o que você faz no seu trabalho?’, na verdade, ele quer saber o que tem de tão bom lá que justifique o fato de ela deixá-lo.

Qual seria a minha resposta hoje?, foi a reflexão que levamos para casa, além da vontade de repetir o encontro.

Elena Crescia informou que, em 12 de agosto, vai ter uma edição do TEDx São Paulo sobre educação transformadora no estádio Allianz Parque, outra sobre o futuro do trabalho final de setembro e uma só com palestrantes mulheres no mês de novembro.

 

 

 

Priscilla de Sá

Jornalista

Jornalista, Psicóloga, Coach, Palestrante e mãe do Pedro (nunca nessa ordem). Apaixonada por livros, vinhos e queijos, ela tem um Plano: ajudar as mulheres a assumirem a liderança das organizações e, principalmente, das próprias vidas.