Plano Cultural: exposição inédita de Alice Brill no Instituto Moreira Salles

Toda semana compartilhamos dicas culturais comandadas por mulheres. O Plano acreditar que valorizar o trabalho dessas artistas femininas é uma importante forma de valorizar o universo feminino e mostrar que podemos ser o que quisermos. Confira aqui todos os #PlanosCulturais e divirta-se!

A fotógrafa Alice Brill, que ganhou destaque por seu importante trabalho na documentação da metrópole paulistana, está com a exposição “Impressões ao Rés do Chão”, no Instituto Moreira Salles, em São Paulo.

Com curadoria de Giovanna Bragaglia, traz fotografias de capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Buenos Aires, além de registros de uma expedição que Alice fez ao lado do político Café Filho para a ilha do Bananal, em Tocantins.

As 90 imagens da alemã naturalizada brasileira, que faleceu aos 92 anos, em 2013, podem ser vistas até janeiro de 2016.

O Instituto Moreira Salles adquiriu em 2000 o acervo completo da artista, com cerca de 14 mil negativos produzidos entre as décadas de 1940 e 1960.

Para a atual exposição, é possível ver fotos do ensaio sobre São Paulo encomendado pelo historiador Pietro Maria Bardi e as imagens dos internos do Hospital Psiquiátrico de Juquery no ateliê da Escola Livre de Artes Plásticas.

Confira algumas imagens:

alice-brill16_pi

011II04A11

alice02_9-011CXC3104

alice03_10-011CXC2110

alice04_2-011CXC3408

alice05_3-011CXC1004

alice06_4-011CXB3608

alice07_11-011CXC2105

alice08_8-011CXC0214

alice09_1-011AV0902

alice10_5-011CXC0910

alice11_6-011CXR0312

alice12_7-011CXR0207

alice13_13-011I76B04

alice14_12-011I29C02

alice15_17-011CXART0902

alice16_15-011II42A12

alice17_16-011CXART0108

alice18_18-011CXART0904

alice19_19-011CXART1202

alice20_20-011CXB2101

alice21_21-011CXB2108

alice22_22-011CXB2109

alice23_23-011CXB2305

alice24_24-011CXB2409

Conheça Alice Brill

Influenciada por seu pai, o artista plástico Erich Brill, Alice sonhava em ser pintora. A paixão pela arte cresceu mais ainda quando chegou no Brasil aos 14 anos e ficou encantada com as cores do País.

A família de Alice se mudou para cá em 1934 para fugir do nazismo. Após dois anos, seu pai retornou para a Alemanha de onde, infelizmente, não retornou. Por ser judeu, morreu em um campo de concentração em 1942.

Alice chegou a trabalhar como secretária e também no atendimento da Livraria Guatapará, em São Paulo. Mas nada disso a fazia feliz e completa. Ela seguiu então os passos de seu pai e dedicou-se às artes plásticas, gravações, ensaios e fotografia.

Se estabeleceu como fotógrafa no fim dos anos 1940, porém, assim que seu marido Julian Czapski se formou em medicina e a condição financeira deles estabilizou, ela passou a se dedicar somente à pintura.

Chegou a fazer parte do grupo Grupo Santa Helena, associação informal de pintores paulistas, onde teve como mestres Paulo Rossi Ozir, Aldo Bonadei, Yolanda Mohaly, Poty e Hansen Bahia.

Outra conquista impressionante de Alice foi a bolsa de estudos em Albuquerque, no Novo México, e na Art Student’s League de Nova York, aprimorando-se em desenho, pintura, escultura, gravura, história da arte, literatura, filosofia e fotografia.

Desde sua participação na I Bienal de São Paulo, em 1951, Alice Brill realizou mais de cem exposições individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

 

 

Serviço

Quando: ter. a sex., das 13h às 19h, sáb. e dom., das 13h às 18h; até 10/1/2016

Onde: Instituto Moreira Salles, r. Piauí, 844, 1º andar, tel. (11) 3825-2560

Preço: grátis

Ana Victorazzi

Jornalista

Apaixonada por café, cor laranja e animais. Formada em jornalismo e mãe de dois gatos, acredita na bondade das pessoas.