Batemos um papo com as fundadoras do Atena Haus: o Netflix de cursos para mulheres

Nos últimos dias, um novo projeto focado no empoderamento das mulheres ganhou (e merecidíssimo!) destaque na internet. É o Atena Haus, uma espécie de Netflix de cursos para mulheres.

Idealizado pela Vivian Vianna, 34 anos, e pela Natália Fava, 30 anos, o site quer fornecer os ensinamentos e habilidades necessários para que mulheres transformem seus Planos em realidade.

Seja aprender programação, editar um vídeo ou investir dinheiro, o serviço de assinatura de cursos online tem foco em aprendizado com resultados práticos.

Como não poderia deixar de ser, entramos em contato com as inspiradoras fundadoras dessa ideia e o que podemos adiantar é que depois de ler essa entrevista vai ser impossível não se apaixonar, por elas e pela plataforma.

Plano Feminino: Qual foi a história de vida de vocês? A trajetória até chegarem onde estão?

Vivian Vianna: Eu sou jornalista e a Natália é publicitária. Nos conhecemos quando trabalhamos juntas em uma agência de assessoria de imprensa, em 2007. Depois disso, eu trabalhei um tempo em revista e depois fundei, em 2009, a agência de mídias sociais DigitalMe, com outros três sócios. A Natália trabalhou em outras empresas e foi trabalhar comigo de novo em 2010. Em 2012, a agência foi adquirida por um grupo francês e eu fui morar no Rio de Janeiro trabalhando com consultoria. A Natália migrou para trabalhar em agências de propaganda e também fez um documentário ano passado, um curta sobre o trabalho doméstico em São Paulo, chama “Mucamas”, com o coletivo de audio visual Nós Madalenas.

PF: Quanto tempo levou entre nascer a ideia e lançá-la?

VV: No começo de 2014, nos encontramos e tivemos a ideia de começar a Atena Haus. Desde então, foi um ano e meio de muito estudo, planejamento e mão na massa pra conseguirmos desenvolver a plataforma e os primeiros conteúdos. Fizemos o lançamento na última semana do ano passado.

PF: Qual foi a maior dificuldade em desenvolver o projeto?

Natália Fava: Acho que a maior desafio foi por o projeto de pé. As decisões de como viabilizar, que caminhos seguir para rentabilizar, etc. Tudo isso requer estudo e leva um tempo pra amadurecer todas as ideias também. A ansiedade também é uma inimiga. Por que o trabalho de backstage do desenvolvimento do bussiness plan e de todo o planejamento e produção do conteúdo e da plataforma leva tempo. E tudo o que queríamos era por no ar e ver o negócio rodando logo, hehe. Imagino que agora com a plataforma desenvolvida e com os conteúdos no ar novos desafios vão surgir. Mas a gente está curtindo muito tirar a nossa empresa do papel. Estamos orgulhosas. Não vejo os desafios como algo negativo. 😀

PF: Como tem sido o feedback das mulheres ao projeto?

NF: O Feedback tem sido excelente! Tanto em termos práticos [número de inscritas] quanto qualitativamente. Temos recebido muitas mensagens de apoio e várias pessoas entram em contato para elogiar a ideia do negócio dizendo que se identificaram. Estamos bem otimistas.

PF: Quantos membros vocês possuam já?

VV: Até agora um pouco mais de 300 pessoas se inscreveram para assistir ao workshop de planejamento lançado há 3 semanas.

PF: Vocês viveram experiências pessoais em que sentiram a exclusão ou tratamento diferente por serem mulheres em ambientes profissionais?

VV: Na época da agência de social media, algumas vezes, quando as discussões ficavam mais tensas, meus sócios, que eram três homens, diziam que eu estava de TPM e eu sentia que era uma forma de desmerecer meu posicionamento. Fora isso tem sempre os comentários nos grupos de homens durante o almoço ou em happy hours. Na época, era muito comum que eu fosse a única mulher no grupo e eu ainda não tinha muita consciência de como isso era prejudicial. Achava que tinha que entrar na brincadeira e acabava querendo me comportar de modo parecido com o deles. A Natália também já passou por situações péssimas, como assédio de clientes que passaram dos limites.

PF: Quais os próximos Planos?

NF: Temos vários. Mas o principal é que vamos começar a fazer eventos presenciais impulsionados pelos temas que estão rolando dentro da plataforma da Atena Haus. O primeiro evento vai ter como tema “Como montar seu primeiro e-commerce”. Vai acontecer no dia 26/01, uma terça-feira, lá na House of Learning, às 19h30. Vamos explorar várias possibilidades e formatos de criação de uma loja virtual com mulheres empreendedoras que começaram seus negócios do zero. A ideia é fazer um debate informal mesmo. Eu e a Vivi vamos mediar esse bate-papo. As participantes vão ser mulheres incríveis mesmo! Aqui uma breve descrição e o link do evento [com vagas limitadas, mas gratuito].

 

PF: Se pudessem dar 3 conselhos para as leitoras do Plano quais seriam?

VV: Bom, como o objetivo da Atena Haus é ajudar mulheres que querem tirar seus projetos no papel, vou dar minhas dicas pensando nelas. 🙂

1 – Se você tem uma ideia e acredita muito nela, corra atrás e faça de tudo pra torná-la real. Algumas pessoas vão tentar te desestimular e a maioria não vai dar muita bola, até porque é bem difícil pra outras pessoas terem a mesma visão que a gente tem quando imagina alguma coisa. Depois que as coisas já estiverem caminhando, muitas dessas pessoas vão entender melhor o que você estava querendo dizer a vão passar a te apoiar. Siga sua intuição e não desista por causa da opinião dos outros.

2 – Cultive sua rede de contatos. O mundo é cheio de pessoas interessantes e fazer networking não é agir por interesse. Muito pelo contrário. Se interesse pelas ideias dos outros, escute e faça pontes entre pessoas que podem se ajudar. Ninguém constrói nada sozinho e quando você se propõe a ajudar outras pessoas, todo o bem que você fez acaba voltando multiplicado pra você. Faça contatos, não tenha vergonha de se apresentar para pessoas que você acha interessantes, que você gostaria de conhecer e com quem gostaria de conversar. Algumas vão te ignorar, mas você vai encontrar muita gente legal e disposta a trocar ideias pelo caminho.

3 – Compartilhe conhecimento. Todo mundo tem algo pra ensinar e o conhecimento é o bem mais valioso que a gente pode oferecer pra alguém. Ensinar também é uma das melhores formas de aprender. Não tenha medo de dividir o que você sabe porque alguém pode copiar sua ideia. Uma ideia é só uma ideia. Ela só ganha valor quando é colocada em prática e quem vai fazer isso faz toda a diferença. Se você está trabalhando pra concretizar seu projeto e se empenha em se desenvolver e aprender, vai estar sempre um passo além.

NF:  quero agregar três itens na lista também!

1- Feito é melhor que perfeito. Quando temos uma ideia de empresa ou projeto pessoal, claro que queremos fazer tudo rodar perfeitamente para começar a operação. SPOILER ALERT: Isso é impossível. Sempre vai ter algum detalhe que não está como você gostaria, algo que precisa ser ajustado, e um item da sua lista [imensa] de coisas para fazer para o projeto que ainda não está ok. Isso pode virar um poço de frustração se você deixar, inclusive. Ai o pior ainda pode acontecer: enquanto você está lá buscando a perfeição alguém passa na sua frente e faz aquilo que você imaginou por meses [às vezes anos] e lança uma versão “beta” da sua ideia. ARGH! Minha dica é: apenas faça. tire do papel, apresente para o mundo uma versão beta que seja e tenha um planejamento em busca de ajustes nos próximos meses. o importante é por em prática e testar formas de melhorar seu projeto. Isso vai ser uma busca constante. Pode se acostumar.

2- Esteja disponível. As pessoas mais inspiradoras e realizadoras que eu conheço estão sempre disponíveis. Elas querem te ouvir, saber de você, como podem te ajudar e trocar. Estar disponível para encontrar pessoas e conversar é uma das coisas mais importantes que eu descobri nessa jornada com a Atena. Parece besta, mas coisas incríveis acontecem quando vocês está disposta a ouvir novas ideias e compartilhar as suas. Peça opiniões sincera, conte com amigos e colegas que você confia para fazerem testes e avaliarem seu negócio ou seu projeto e faço o mesmo por eles, claro. Essa troca e parceria é muito importante.

3- Seja flexível. Uma crítica não é um ataque. E até quando é um ataque você pode tirar alguma coisa boa disso. Esse item é um eterno aprendizado para mim, mas tem me ajudado muito. Esteja aberto para ouvir as críticas sobre seu projeto ou negócio e ponderar. As vezes elas vão valer a pena e podem te ajudar com coisas que você nem imaginava que estava faltando ou que não estavam funcionando muito bem.

atena-haus-INT

unnamed-3

unnamed

Redação

Produzido por uma equipe cheia de Planos para compartilhar.