Está se preparando para uma viagem ao exterior? Veja como se proteger do vai e vem do câmbio

O sobe e desce do real está deixando quem tem viagem internacional marcada de cabelo em pé. Quem ainda não comprou seus dólares, euros, libras ou a moeda do destino final deve levar em consideração as vantagens e desvantagens de cada forma de pagamento para tentar reduzir as surpresas com a variação do câmbio.

“Quem tem viagem marcada e já comprou passagens e pagou hospedagem não vai desmarcar, mas a despesa final certamente ficou mais alta”, diz Kelly Massaro, diretora da Associação Brasileira de Câmbio (ABRACAM). “Nesta reta final, ainda vale a pena planejar bem esta questão para não chegar de viagem com uma surpresa desagradável em mãos”.

Entre a mínima e a máxima do último mês, a diferença do dólar turismo é de quase 30 centavos. Em uma viagem de US$ 5 mil, estamos falando de R$ 1.500 de acréscimo. A ABRACAM dá algumas dicas sobre cada forma de pagamento de despesas no exterior:

Dinheiro em espécie

Não dá para fugir dele, mesmo que seja para levar um pouco de uma moeda forte como o dólar ou o euro e trocar pela moeda local ao chegar, ainda que neste caso você pague dois câmbios. Kelly, da ABRACAM, lembra que é sempre recomendável chegar a um país com algum dinheiro local em mãos para pagar as primeiras despesas (alguma refeição ou transporte para o hotel, por exemplo). Outra vantagem é que a compra de moeda estrangeira paga IOF (Imposto sobre Operação Financeira) de 1,1%, comparado a 6,38% incidente sobre o cartão de crédito e do cartão pré-pago. E no dinheiro em espécie não há surpresa: o que você pagou na compra é o seu gasto. Agora que o real se valorizou um pouco, vale a pena pensar se é hora de comprar.

 

 

Cartão internacional pré-pago

É o cartão que você carrega no Brasil e usa no exterior. Tem em várias moedas, inclusive os multimoedas, que são ótimos para viagens por diferentes países. “A grande vantagem é você conseguir travar sua despesa, porque na hora que compra, a cotação está fechada”, lembra Kelly. Outra vantagem é a segurança. Em caso de roubo ou perda, você recupera seu dinheiro. E se sobrar dinheiro no cartão, dá para guardar para a próxima.
Cartão de crédito: assim como o cartão pré-pago, o de crédito paga um imposto mais alto. Ele tem segurança e a comodidade de não ter que pensar nisso até a conta chegar. Mas em momentos de muita volatilidade, é aí que está o problema. Não dá para saber quanto você vai pagar na fatura.

 

Transferências internacionais

Algumas despesas de viagem, como hospedagens mais longas e passeios, podem ser pagos por transferência internacional. O imposto é o mesmo do dinheiro em espécie, 1,1%. É outra maneira de se proteger da variação cambial, e não te obriga a andar com dinheiro. Instituições financeiras autorizadas a operar câmbio, como corretoras de câmbio e bancos, fazem este serviço.

Anotou as dicas? Acha que elas vão te ajudar na sua próxima viagem? Então comenta aqui, e se tiver alguma sugestão bacana do que quer ver na seção de viagem, manda pra gente que sua ideia pode aparecer aqui logo, logo!

Redação

Produzido por uma equipe cheia de Planos para compartilhar.