Lisiane Lemos mostra que lugar de mulher negra também é na tecnologia

De acordo com relatório divulgado pela Unesco no início deste ano, apenas 17% das pessoas que trabalham com programação são mulheres. Elas ainda são minoria nos cursos de tecnologia porque não têm muito incentivo para ingressar em uma das carreiras mais promissoras da atualidade que ainda é majoritariamente masculino.

Lisiane Lemos é uma das grandes mulheres brasileiras que nos representam na tecnologia. Ela foi uma das primeiras mulheres negras a ocupar um espaço importante no mundo corporativo e já foi eleita pela Revista Forbes como uma das mulheres mais influentes do mundo.

Quando criança, gostava de brincar de tudo, gostava de aventuras e seus sonhos de carreira eram bem diferentes de ser uma executiva: “Eu já quis ser policial, secretária e outras muitas coisas, mas nunca quis ser presidente de empresa. Sempre fui uma menina muito ativa, daquelas que joga bola, sobe em árvore e anda com os meninos.”

Todos os seus desejos de menina, foram alimentados pela leitura. A Lisi, como gosta de ser chamada, gostava de passar horas na biblioteca para explorar novos mundos e adorava escrever poesias. Mesmo sem saber ainda que profissão seguir, ela sabia que queria poder conhecer o mundo. “O que eu mais recordo é que queria ter uma profissão que eu viajasse de avião (quem é do interior vai me entender). Queria conhecer o mundo todo. Esse sonho é a prova viva de que devemos tomar cuidado com os nossos sonhos, porque hoje eu viajo pra caramba.”

Hoje, todos conhecem Lisiane pelo espaço que ocupa como executiva de uma grande empresa de tecnologia. Mas o caminho não foi fácil, foi de muita luta e resistência que a levou até o curso de Direito e hoje traz o reconhecimento pela grande profissional que se tornou.

“O caminho foi longo e hoje, quando vejo o impacto que tenho, chego à conclusão de que nunca pensei tão grande e em tocar tantas pessoas. Sempre fui por fases, e nesse ponto me identifico muito com a Michele Obama, que se colocava como uma ‘box checker’. Na escola eu queria ser nota 10, 11 se pudesse.

 

No ensino médio queria passar em uma universidade pública. Na Universidade ter um trabalho que me possibilitasse conhecer gente. E agora eu quero dominar o mundo hahaha (brincadeira). Agora, eu só quero me tornar uma vendedora extraordinária. É crucial ter um plano. Escrever, visualizar e acreditar nele. Conhecer nossos pontos fortes e fracos, nossos aliados, nossas crenças limitadoras”.

 

A maior motivação que Lisi teve para seguir em frente e ocupar seus espaços, realizar seus planos, foi a família e a sua fé. “Meu combustível é minha família e o legado que quero deixar. Quero chegar no final da vida e ver: nossa, eu fiz muita coisa boa, ajudei muita gente. Ter uns filhos legais também é importante. Eu sou espírita e acredito muito que Deus nos dá uma missão. Meu objetivo é cumprir o que ele escreveu pra mim utilizando todo meu potencial e as ferramentas que ele me deu, afinal, eu tenho mais fé que juízo.”

Sempre alegre, sorridente e de bom humor, falamos com a Lisi sobre suas paixões e, aos risos, ela disse de primeira: “Comer… brincadeira”. Em seguida ela falou que é uma pessoa muito ativa e gosta de inventar sempre uma coisa nova. “Eu nunca leio só um livro nem vejo uma série na ordem. Agora, eu tô no momento leitura e podcasts de autoras mulheres que me inspiram. Comprei a biografia da Michelle Obama em pré-venda e tenho usado meus intervalos pra devorar o livro. Além disso, tenho escutado o Meteora podcast é o Oprah’s SuperSoul.

Acho que é importante a gente escutar pessoas que já trilharam os caminhos antes pra não cair os mesmos tombos e pra ter referência porque, afinal, representatividade importa”.

 

 

Lisiane é uma advogada, executiva que atua em uma das maiores empresas de tecnologia do mundo. Uma mulher de sucesso, que conseguiu conquistar seu espaço de destaque no mundo e que quer puxar outras mulheres com ela. Embaixadora do I am the Code, projeto criado pela senegalesa Mariéme Jamme, que tem como objetivo ensinar programação a um milhão de mulheres e meninas até 2030.

As conquistas, os sonhos, os planos. Tudo isso importa. Queremos ver cada vez mais pessoas negras ocupando seus espaços no mercado de trabalho, mostrando que elas são capazes de realizar grandes coisas e que a luta contra o preconceito é importante, sim.

Por isso, vamos sempre celebrar as conquistas de mulheres negras que estão se destacando e fazendo acontecer em suas áreas de atuação. A cada uma que conquista seu espaço, é mais uma vitória para a sociedade.

#NegrasOcupam

 

 

 

Kelly Sá

Amante da arte, das palavras. Adora crianças, cachorros e gatos. Formada em Letras, adora trabalhar com conteúdo, fazendo das palavras o seu brinquedo preferido.