Mulher empoderada e do lar: abrir mão da carreira não é o fim da luta

As pessoas estão se acostumando cada vez mais a ver as mulheres ocupando os espaços que são seus, por direito. Como mulheres, iniciamos um movimento de mudança que não tem volta. Mulheres que vão ao trabalho, são executivas de sucesso, empreendedoras – hoje as mulheres representam mais de 51% do número de empreendedores, de acordo com dados do Global Entrepreneurship Monitor -, sustentam muitas vezes sozinhas suas casas, sua família… enfim, elas mostram que podem ser multifacetadas.

Mas, e se a mulher for do lar? Ela pode ser considerada uma mulher empoderada? Ora, por que não? Se defendemos tanto que o lugar que ela deseja ocupar, é ela quem escolhe, por que este lugar não poderia ser em casa, se dedicando a si mesma, à família ou aos filhos e se sentir empoderada assim?

 

 

Para muitas mulheres, ficar em casa é uma questão de escolha. Se o marido ganha o suficiente para cobrir as despesas da família, esta pode ser uma opção para aquelas que querem se dedicar à casa e outras questões pessoais que não seja seguir carreira em um espaço de trabalho tradicional.

A mulher que decide ficar em casa, não significa que ela é uma pessoa submissa, afinal, quando ela escolhe ter mais tempo para a família, filhos ou pra cuidar de si mesma é porque ela tem isso como opção e não porque se sente obrigada. Poder fazer escolhas sobre o que é melhor sobre sua vida, faz parte da essência de uma mulher que se considera empoderada, esteja ela no mercado de trabalho ou em casa.

Mariana Ferreira, diz que depois que se casou, há 4 anos, decidiu que era o momento de se dedicar ao seu lar e que não se sente diminuída por isso. “Gosto de ter meu tempo para cuidar da minha casa, das minhas coisas e as do meu marido, mas nem por isso me considero uma mulher de menor valor. Em casa, eu e ele dividimos as tarefas, temos o nosso espaço, saímos com nossos amigos, nos divertimos, nos respeitamos e isso pra mim é o suficiente pra me considerar uma mulher empoderada. Não preciso estar em um alto cargo em uma empresa pra me sentir bem.”

Já Camila Amaral, acha que as mulheres já são julgadas o tempo todo, não importa em que posição estejam. Técnica em segurança do trabalho, ela abriu mão da carreira para ter mais tempo pra si e pra filha: “Já fui julgada por estar trabalhando, por não estar, por não ter tempo pra ficar com a minha filha por conta do trabalho, por ficar em casa com ela e não me dedicar à carreira… a verdade é que é muito difícil, porque você nunca vai atender as expectativas dos outros.

Mas, pra mim, o que importa é me sentir bem. Eu saí do meu trabalho para ter mais tempo pra ficar com a minha filha e pra ter um tempo pra mim também. Hoje consigo ter um tempo pra fazer faculdade e pensar se quero seguir uma carreira no futuro e posso dizer que estou feliz assim, isso não faz de mim uma mulher menos empoderada que as outras.”

 

 

É importante frisar que a mulher pode ficar em casa, sem querer seguir uma carreira e que não há problema nenhum nisso. A escritora Rita Mamede, coautora do Livro “Mulher – Desperte o poder que há em você”, diz que o empoderamento está vinculado ao propósito de vida. “Isso só é possível se a mulher assume seu papel, não apenas diante da sociedade, mas principalmente diante de si mesma, e seus anseios mais profundos. A mulher não precisa trabalhar fora pra se sentir bem. Percebi isso quando obtive a clareza do meu propósito de vida. Eu sabia que minha família precisava de uma mulher empoderada, que tivesse autogestão e foi assim que decidi seguir.”

A verdade é que o mundo realmente se transformou. Se na década de 70, tínhamos as mulheres que eram chamadas de Amélias, por serem aquelas que serviam a casa e aos homens apenas, hoje, com todos os movimentos em prol dos direitos das mulheres, elas ficam em casa sabendo qual é o seu lugar no mundo. Sabendo que têm espaços para construir uma carreira e trabalhar, se quiser, sem tirar o mérito de ser uma mulher empoderada.

Os tempos mudaram, hoje as mulheres podem usar salto ou não, se assim se sentirem mais seguras. Não importa a roupa que usa, onde trabalha ou se está em casa, a mulher é extremamente versátil e se adapta a qualquer situação e ela tem o poder de escolher o lugar que deseja ocupar.

Assim, é possível mostrar que realmente o lugar de mulher é onde ela quiser, inclusive em casa, se assim desejar. A mulher deve ocupar seus espaços e esses espaços podem ser dentro da própria casa e tá tudo bem, podendo, sim ser empoderada e do lar.

 

Kelly Sá

Amante da arte, das palavras. Adora crianças, cachorros e gatos. Formada em Letras, adora trabalhar com conteúdo, fazendo das palavras o seu brinquedo preferido.