O poder do diálogo

No primeiro discurso como presidente reeleita, Dilma falou sobre diálogo e que isso será uma das diretrizes do seu novo governo. Independente do lado você esteja nesse assunto, hoje quero falar sobre a importância do diálogo nas empresas.

Durante toda a corrida eleitoral do segundo turno, era claro perceber que tínhamos dois lados bem distantes, onde cada um defendia seus pontos de vista, seu plano de governo e seus valores. Houve (muitos) momentos em que se falou do que o outro lado não fizera ou, o que o faria se assumisse. As eleições acabaram e com ela se abriu um grande abismo entre governo e oposição que dependerá muito de DIÁLOGO para que possa deixar de existir.

Nas empresas essa história não é muito diferente e dialogar sempre vai exigir cuidado de ambas as partes, principalmente quando houver opiniões divididas.

A tensão gerada por impasses na  tomada de decisão nas empresas, tem no diálogo um grande potencial de conciliação e de ser resolvido. Só que para isso, as pessoas precisam estar abertas para negociar e acima de tudo, construir relacionamentos dentro da empresa.
Como vimos essa semana, a Câmara de Deputados já mostra sinais de que o diálogo que Dilma promete, será difícil. Quando nenhum dos lados cede ou entende que perder não significa necessariamente uma derrota, fica complicado estabelecer um diálogo.
Dentro da empresa onde você trabalha, muito provavelmente tem situações que você gostaria de mudar: uma projeto de reposicionamento, melhorar o atendimento ao cliente, estabelecer metas mais realistas e por aí vai. Acredite em mim: Se você não souber dialogar, e com as pessoas certas, nada vai mudar.

Você precisa estar atenta com três pontos muito importantes para construir um diálogo que influencie e traga a equipe para o seu lado na aprovação de mudanças:

Apresente resultados possíveis e que impacte positivamente toda a empresa. Um projeto não pode ser bom só para você ou para a sua área. Tudo que acontece em uma empresa, tem efeito dominó e reflete em todas as áreas. Preveja os impactos e mostre como será importante ter o projeto aprovado.

Negocie: Quanto posso ceder? Seus pontos são importantes quanto os pontos da outra pessoa? Negocie e saiba até onde você pode ceder. Veja o que cada um pode complementar o outro. Caso você tenha que ceder mais que o previsto, entenda que perder tem um lado bom. Quando se quer construir uma relação, é preciso aprender a ceder e entender que nem sempre você vai sair vitoriosas.

Entenda o cenário com um todo e se tenha aliados com interesse comum. Sozinha você só vai ao banheiro (e olha lá, né mulherada?). Para conseguir com que seus planos sejam realizados, você precisa de pessoas a sua volta que estejam no mesmo barco e que busquem os mesmos objetivos.

Dale Carnegie dizia que se nos dessem um limão, devíamos fazer uma limonada. Pois bem. Talvez aquele projeto de reposicionamento pode ficar mais completo e diversificado, com ideias de outras pessoas unidas às suas e isso não te faz uma perdedora, te faz uma pessoa que está aberta a dialogar e gerar resultados.

Construa relações antes mesmo de dialogar. Sem conhecer as pessoas com quem você precisa debater, você não saberá que argumentos usar para defender suas ideias.

Redação

Produzido por uma equipe cheia de Planos para compartilhar.