Promotor diz que estuprador ficou "com a melhor parte, dependendo da vítima"

Daquelas matérias que gostaríamos de nunca ter que dar, pois é apenas ABSURDO. Beirando o surreal.

A BBC Brasil divulgou o áudio em que o promotor público Alexandre Couto Joppert, que atuava como examinador em uma prova oral para ingresso no Ministério Público do Rio de Janeiro, diz que o estuprador ficou “com a melhor parte (no crime), dependendo da vítima”.

Ele chega ainda a descrever como seria a atuação de cada criminoso envolvido em um caso hipotético de estupro durante uma das entrevistas com um candidato.

“Um segura, outro aponta arma, outro guarnece a porta da casa, outro mantém a conjunção – ficou com a melhor parte, dependendo da vítima – mantém a conjunção carnal, e o outro fica com o carro ligado para assegurar a fuga”, escuta-se no áudio.

Como não poderia deixar de ser, o acontecido causou grande indignação no meio jurídico fluminense e nas redes sociais.

Quando procurado pela BBC Brasil, declarou que “foi mal interpretado e que sua fala buscou apenas descontrair o ambiente da prova, que costuma ser muito tenso para o candidato”. o.O

O promotor deu algumas explicações mais e entre elas a de que o objetivo da pergunta era saber se o candidato indicaria que a punição mais adequada nesse caso era pedir a condenação dos criminosos por um ato de estupro ou por cinco, resposta que prevê punição maior e que ele considera mais correta.

“Nossa senhora, isso já me deu um aborrecimento interno que você não faz ideia. Estou muito sofrido até com isso. Mas de qualquer sorte, como houve incômodo por parte de alguém, eu peço publicamente desculpas pelo mal entendido”, declarou.

Por hora, ele foi afastado cautelarmente da banca examinadora até a conclusão da apuração dos fatos, segundo o o procurador-geral de Justiça, Marfan Martins Vieira do Ministério Público do Rio.

Escute o áudio:

Ana Victorazzi

Jornalista

Apaixonada por café, cor laranja e animais. Formada em jornalismo e mãe de dois gatos, acredita na bondade das pessoas.